C. S. Lewis : de intelectual ateu a um dos maiores cristãos do século XX.

Clive Staples Lewis (1898-1963) conhecido como C. S. Lewis , natural de Belfast, Irlanda, foi um conhecido professor na Universidade de Oxford, durante 29 anos, e depois professor de Literatura Medieval e Renascentista na Universidade de Cambridge. Educado na Igreja Anglicana, tornou-se ateu na adolescência. Depois duma intensa peregrinação espiritual, voltou à comunhão da Igreja em 1929. Para Christopher Mitchel, diretor do Wade Center, no Wheaton College, onde estão muitos dos escritos de Lewis, na sua autobiografia espiritual, Surpreendido pela Alegria, “Lewis gasta todo o livro para chegar ao teísmo, ‘desembrulhando-o’ cuidadosamente, mas o seu movimento em direção a Cristo acontece em duas ou três frases. É tudo o que diz.

Ao fim do dia, Lewis acreditou que no Cristianismo somos confrontados com uma pessoa a quem dizemos sim ou não... E isto é muito evangélico.”

Este acadêmico talentoso comunicou a fé cristã com clareza, imaginação, sem superficialidades. Nas palavras de Mitchel, “tinha um rara capacidade para dar uma forma imaginativa à doutrina cristã” .

Lewis começou a tornar-se conhecido quando em 1941 escreveu a sátira The Screwtape Letters (Cartas do Inferno / Vorazmente Teu), com instruções de um demónio veterano ao seu jovem sobrinho, um tentador em princípio de carreira, sobre como conquistar o coração dos novos crentes. Pouco depois, a pedido da BBC, faria 29 palestras na rádio que dariam origem ao livro Mere Christianity (Cristianismo Autêntico / Cristianismo Puro e Simples).

C. S. Lewis, membro da Igreja Anglicana, e J. R. R. Tolkien (autor de O Senhor dos Anéis), católico, eram grandes amigos. Foi no contexto desta amizade e dado o amor de ambos por histórias míticas, que eles se determinaram em trazê-las para a leitura pública. Ambos acreditavam que através dos mitos e lendas – a forma como muitas culturas passaram as

suas crenças durante gerações – seria possível passar um sabor do Evangelho, atravessando as barreiras e os filtros das mentes secularizadas. Sem esta amizade, não conheceríamos a Terra Média nem Nárnia ( crônicas de Nárnia consiste na obra mais conhecida de Lewis, sendo a série considerada um clássico da literatura , tendo vendido mais de 120 milhões de cópias mundialmente , figurando como uma das obras literárias mais bem sucedidas e conhecidas de todos os tempos, traduzida em 41 idiomas.

Após sua conversão no início da década de 30, Lewis tornou-se mais conhecido pelo fato de ter um programa de rádio durante a 2ª Guerra Mundial, onde pregava sobre o cristianismo e seus valores. Os livros e suas palestras permitiram com que muitas pessoas o considerassem o “apóstolo dos céticos”.

“O ceticismo é marcante numa USP, ou qualquer universidade pública que você olhar. Você acaba sendo educado para duvidar de tudo. Lewis viu como uma missão estar dialogando com esse tipo de pessoa, que não acredita em tudo e que gosta de provar, de ir atrás e descobrir e foi assim que invadiu as universidades de Oxford , Cambridge e o mundo.

referencias:

C.S.Lewis:Cristianismo Puro e Simples2009. Editora Martins Fontes

C.S.Lewis:Crônicas de Nárnia, As (volume único)2009. Editora Martins Fontes

C.S.Lewis Grande Abismo, O2006. EditoraVida

Blog: Fernando Ascenso (http://destinadasaoceu.blogspot.com.br)

  • Facebook Black Round
  • Google+ Black Round
  • Tumblr Black Round

© 2023 por Voz do Sucesso. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook Black Round
  • Google+ Black Round
  • Tumblr Black Round